Edição de 2018 do Catálogo Nacional de Variedades de Espécies Hortícolas e Agrícolas está online

Edição de 2018 do Catálogo Nacional de Variedades de Espécies Hortícolas e Agrícolas está online

[Fonte: Agricultura e Mar]

A edição de 2018 do Catálogo Nacional de Variedades de Espécies Hortícolas e Agrícolas já está disponível online.

De acordo com a legislação comunitária e nacional, salvaguardando as excepções previstas na lei, só é admitida a produção, certificação e comercialização de semente de variedades inscritas nos Catálogos Comuns ou no Catálogo Nacional de Variedades de Espécies Agrícolas e Hortícolas (CNV).

O Catálogo

No âmbito do estudo e inscrição de variedades, a Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) assegura a devida articulação com os serviços da Comissão Europeia e dos restantes Estados-membros, relativamente aos Catálogos Comuns de Variedades de Espécies Agrícolas e Hortícolas, assim como com a Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económico (OCDE).

Para o estudo das variedades candidatas à inscrição no CNV, são seguidos procedimentos harmonizados a nível internacional, sendo as condições de experimentação e os critérios de avaliação das variedades definidos sob a forma de Planos de Ensaio e Regulamentos Técnicos, elaborados e publicados pela DGAV.

Para serem inscritas no CNV, as variedades são submetidas a ensaios oficiais realizados pela DGAV e, para as espécies agrícolas, são também realizados ensaios de valor agronómico e de utilização.

Os ensaios de valor agronómico, coordenados pela DGAV, constituem as Redes Nacionais de Ensaios das várias espécies vegetais. Nestas, participam as Direcções Regionais de Agricultura e Pescas do Norte, do Centro, do Alentejo e de Lisboa e Vale do Tejo, Direcções Regionais de Agricultura das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV), a ANSEME – Associação Nacional de Produtores e Comerciantes de Semente, a ANPROMIS – Associação Nacional dos Produtores de Milho e Sorgo e a Escola Superior Agrária de Beja.

Ensaios obrigatórios

Após conclusão dos ensaios obrigatórios, a proposta de inscrição no CNV é submetida a apreciação cabendo ao Director-Geral da Alimentação e Veterinária a respectiva decisão final.

Com o objectivo de valorizar e proteger as variedades autóctones e outras variedades naturalmente adaptadas às condições regionais e locais e ameaçadas pela erosão genética, denominadas como variedades de conservação, está em vigor o sistema de avaliação destas variedades conducente à sua inscrição no CNV. As variedades de conservação encontram-se identificadas no presente Catálogo.

Pode consultar o catálogo aqui.

Agricultura e Mar Actual

Comente este artigo

Receba este artigo na Newsletter do Agroportal

Aceito a Política de Proteção de Dados e dou o respetivo Consentimento para a recolha e tratamento de dados pessoais.

O artigo Edição de 2018 do Catálogo Nacional de Variedades de Espécies Hortícolas e Agrícolas está online foi publicado originalmente em Agricultura e Mar

Anterior Trabalhadores da agricultura ganhavam em 2016 menos 22% do que restantes funcionários
Próximo “As raças autóctones assumem destaque”

Artigos relacionados

Últimas

Vinho Verde: Jornadas técnicas de início de campanha

[Fonte: Voz do Campo]

A Academia do Vinho Verde e a EVAG, em parceria com a Syngenta, promovem no próximo dia 13 de abril, 6.ª feira, as XIII Jornadas Técnicas Início de Campanha na Estação Vitivinícola Amândio Galhano (Quinta de Campos de Lima – […]

Sugeridas

Presidente da Câmara de Viseu não quer show off: “Nunca fiz limpeza de matas, não vou simular que estou a fazer”

[Fonte: Observador]
O presidente da Câmara de Viseu vai faltar à limpeza de matas porque não é “um político de show off”. “Nunca fiz limpeza de matas, portanto não é para aparecer na fotografia que o vou fazer”.
O presidente da Câmara de Viseu, […]

Nacional

DGAV esclarece controlo de infestantes em zonas urbanas à base de vinagre e sal

[Fonte: Agricultura e Mar]

A DGAV – Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária acaba de divulgar o Ofício Circular n.º 17/2018, no qual esclarece as regras de utilização de vinagre de álcool ou sal para controlo de plantas indesejadas em espaços urbanos, incluindo zonas de lazer ou jardins. […]