Donos da Pacheca compram Caminhos Cruzados no Dão

Donos da Pacheca compram Caminhos Cruzados no Dão

Paulo Pereira, Maria do Céu Gonçalves e Álvaro Lopes juntam a produtora de Nelas que detém as marcas Teixuga, Titular e Terras de Santar ao portefólio de vinhos e enoturismo no Douro, prometendo uma “gestão mais profissional e alguma folga financeira”.

Depois de comprarem a Quinta da Pacheca (Lamego) em 2012 e a Quinta de São José do Barrilário (Armamar) em 2017, ambas na região do Douro, os empresários Paulo Pereira e o casal Maria do Céu Gonçalves e Álvaro Lopes acabam de fechar a aquisição da empresa Caminhos Cruzados (Nelas), produtora de vinhos no Dão, que detém as marcas Teixuga, Titular e Terras de Santar.

Os donos da Agriberia, a maior distribuidora de produtos portugueses em França, anunciaram esta quarta-feira, 9 de dezembro, a criação do Grupo Terras e Terroir, que passa a integrar estas três propriedades vinícolas e de enoturismo, prevendo “criar sinergias entre as empresas, bem como estender o ‘know-how’ económico e técnico a outras regiões do país”.

Sem divulgar o valor do negócios, os três sócios garantem que “grande parte da atual equipa da Caminhos Cruzados, cerca de 15 pessoas no total, irá manter-se, pelo que a transição dar-se-á de forma fácil e sem constrangimentos de maior”. À frente do projeto criado em 2012 por Paulo Santos, empresário têxtil, vai manter-se Lígia Santos, filha do anterior proprietário, ex-advogada da Abreu que em 2012 trocou Lisboa pela Beira Alta.

Comprada, plantada ou arrendada, a Caminhos Cruzados controla cerca de 42 hectares de vinha, todos localizados a menos de seis quilómetros da Quinta da Teixuga, onde está a maior extensão produtiva e também a adega que custou dois milhões de euros. Inaugurada em 2017, tem capacidade para vinificar 500 toneladas de uva por campanha, o equivalente a cerca de 400 mil garrafas de vinhos brancos, tintos e rosés e reservas.

Podemos oferecer à Caminhos Cruzados um modelo de gestão mais profissional, alguma folga financeira e um projeto integrado que vai fazer cimentar a posição das marcas no mercado. Grupo Terras e Terroir

Ao produtor de vinhos beirão, que tem Manuel Vieira e Carlos Magalhães como enólogos consultores, os proprietários do Grupo Terras e Terroir consideram, citados num comunicado enviado à imprensa, que podem oferecer “um modelo de gestão mais profissional, alguma folga financeira e um projeto integrado que vai fazer cimentar a posição das marcas no mercado”.

Emigrantes em França, Maria do Céu Gonçalves e o sócio e ex-marido Paulo Pereira entraram no mundo dos vinhos em maio de 2012, com a compra da Quinta da Pacheca à família Serpa Pimentel por um valor a rondar os sete milhões de euros. Na altura, esta propriedade localizada na margem esquerda do rio Douro, em frente à Régua, estava prestes a cair nas mãos da banca.

Continue a ler este artigo no Jornal de Negócios.

Comente este artigo
Anterior Herdade da Contenda: Câmara Municipal de Moura recebe Prémio Nacional da Paisagem 2020
Próximo Disponível Newsletter da CAP Frutos & Hortícolas - novembro 2020

Artigos relacionados

Nacional

Observatório acusa Governo de não fornecer dados objectivos sobre incêndios

Entidade independente que acompanha gestão dos fogos florestais teceu várias críticas ao Governo sobre relatório relativo aos fogos de 2019. […]

Nacional

Feira da Caça de Mértola com muitas propostas

O programa da IX Feira da Caça de Mértola é extenso e pretende dar a conhecer várias perspetivas da atividade cinegética e proporcionar momentos de convívio e animação aos milhares de visitantes que se deslocam a Mértola para a ocasião. […]