“Discriminatória e infundada”. Associação critica fim de apoios a novos olivais no Alqueva

“Discriminatória e infundada”. Associação critica fim de apoios a novos olivais no Alqueva

[Fonte: O Jornal Económico]

“É, claramente, uma medida discriminatória e infundada” e, por isso, “não a podemos aceitar e iremos contestá-la”, disse à agência Lusa Miguel Portela de Morais, diretor da Olivum.

A Olivum – Associação de Olivicultores do Sul criticou hoje o fim da concessão de apoios comunitários a novos projetos para instalação de olival e agroindústrias associadas no perímetro do Alqueva, considerando ser “uma medida discriminatória e infundada”.

“É, claramente, uma medida discriminatória e infundada” e, por isso, “não a podemos aceitar e iremos contestá-la”, disse à agência Lusa Miguel Portela de Morais, diretor da Olivum.

Segundo o responsável, a Olivum tem “dúvidas” de que a medida “possa vir a ser implementada”, “não só porque é injusta”, mas também porque a associação põe “em causa” a sua “legalidade”, já que “há uma discriminação de uma cultura [olival] em relação às outras, sem que haja razões e fundamentos para o efeito”.

Miguel Portela de Morais reagia ao fim da concessão de apoios, no âmbito do atual quadro de fundos comunitários, a novos projetos para instalação de olival ou agroindústrias associadas no perímetro do Alqueva, no Alentejo, anunciado hoje pelo ministro da Agricultura, Capoulas Santos, na Assembleia da República.

Segundo o ministro, “no perímetro do Alqueva, já existem cerca de 55 mil hectares de olival, o que significa que será cerca de um terço do perímetro de rega” e o Governo entende que “mais do que 30% de uma única atividade no perímetro de rega começa a ser excessivo”.

Capoulas Santos fez o anúncio no início de um debate de urgência sobre impactos negativos de culturas intensivas e superintensivas requerido pelo Partido Ecologistas “Os Verdes”, durante o qual criticou “a desinformação” existente e as “distorções” sobre as consequências da prática da agricultura na zona do Alqueva.

Segundo o ministro, em relação aos elementos disponíveis no Ministério da Agricultura, “conclui-se, no essencial, que o olival (ou o olival em sebe) não promove mais pressões ambientais do que qualquer outra cultura regada” e, pelo contrário, “é menos consumidora de água do que a generalidade” e é “apontada como uma das menos potenciadoras de impactos negativos no solo”.

Comente este artigo

O artigo “Discriminatória e infundada”. Associação critica fim de apoios a novos olivais no Alqueva foi publicado originalmente em O Jornal Económico.

Anterior Eleito o “Melhor Jovem Agricultor 2019”
Próximo Gonçalo Assis Lopes, da Seaberry, ganha prémio de “Melhor Jovem Agricultor 2019”

Artigos relacionados

Candidaturas e pagamentos

PDR2020: Restabelecimento da floresta afetada por agentes bióticos e abióticos ou por acontecimentos catastróficos – Mação | Sertã | Vila de Rei

Operação 8.1.4 – Restabelecimento da floresta afetada por agentes bióticos e abióticos ou por acontecimentos catastróficos […]

Últimas

Auchan apresenta “verdes” km zero

[Fonte: Voz do Campo]

Sob alçada da insígnia Auchan, a estreia do projeto que reinventa a oferta de produtos frescos, […]

Últimas

Governo vai criar estatuto do jovem empresário rural para rejuvenescer população


DR

O Governo vai criar o estatuto do jovem empresário rural e “definir apoios associados”, para promover “o rejuvenescimento da população rural”, […]