Investigação

Investigação

CCTI – Centro de Competências para o Tomate Indústria
Categoria:
Descrição:

A génese do Centro de Competências para o Tomate Indústria (CCTI) inseriu-se no programa estratégico do Ministério da Agricultura e do Mar para a criação de um conjunto de Centros de Competências, em setores considerados relevantes no panorama agro-alimentar nacional. Assim, reuniu-se a representatividade de toda a fileira, nas vontades expressas num protocolo firmado entre a Associação dos Industriais de Tomate (AIT), a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) e o Ministério da Agricultura e do Mar (MAM), servindo esse documento, posteriormente, como matriz orientadora para os estatutos do CCTI, enquanto Entidade Não Empresarial do Sistema de I&I.

Morada: Quinta das Pratas Av. 25 de Abril
Código Postal: 2070-158 Cartaxo
Centro de Biotecnologia Agrícola e Agro-Alimetar do Alentejo  (CEBAL)
Nome de contacto: Fátima Duarte,
Eliana Jerónimo
Categoria:
Descrição:

O Centro de Biotecnologia Agrícola e Agro-Alimentar do Alentejo (CEBAL) é uma unidade de investigação e desenvolvimento privada, sem fins lucrativos, sediada na cidade de Beja. O CEBAL desenvolve a sua actividade em estreita ligação com o tecido económico local, levando em consideração as características e o potencial da região em que se insere.

A actividade do CEBAL está estruturada de forma a desenvolver investigação prioritariamente aplicada, procurando identificar questões com impacto potencial para a economia da região e propor soluções biotecnológicas que permitam a resolução de problemas, a optimização da produção ou a certificação de produtos.

A actividade do centro está, também, direccionada para identificação e o desenvolvimento de novas oportunidades que possam ser aplicáveis à região nomeadamente nas áreas da produção vegetal, na produção animal, no processamento e melhoria dos produtos agrícolas e alimentares, na implementação de processos que permitam a obtenção de valor acrescentado a partir de sub-produtos e resíduos e na pesquisa de formas de valorização de matérias-primas tradicionais.

O CEBAL conta com a colaboração de 11 investigadores doutorados. Com idades compreendidas entre os 28 e os 40 anos, formam uma equipa pluridisciplinar que cobre os domínios das Ciências da Saúde, Engenharia Alimentar, Engenharia Química, Biologia e Bioquímica. No global, têm mais de 50 artigos publicados em revistas científicas internacionais incluídas no SCI, cerca de um centena de comunicações a congressos técnico-científicos e duas patentes, uma nacional e outra internacional.

Os investigadores do CEBAL estão dispersos por 5 grupos de investigação científica: Genómica Agronómica, Compostos Bioativos,
Valorização de Agro-Alimentos, Engenharia de Processos, e Genómica Animal e Bioinformática.

Telefone: + 351 284314399
Morada: Rua Pedro Soares, s.n. – Campus IPBeja, Apartado 6158, Beja – Portugal
Código Postal: 7801-908 Beja
COTHN – Centro Operacional e Tecnológico Hortofrutícola Nacional
Categoria:
Descrição:

O Centro Operacional e Tecnológico Hortofrutícola Nacional visa promover o desenvolvimento da fileira hortofrutícola nacional, especialmente através da investigação aplicada, melhoria do nível de conhecimentos no sector, aprofundamento da cooperação e das parcerias nas áreas da tecnologia e da organização. Pretende promover uma maior aproximação entre as empresas e a investigação, bem como entre entidades públicas e entidades privadas.

Telefone: +351 262 507 657
Fax: +351 262 507 659
Morada: Estrada de Leiria, S/N
Código Postal: 2460-059 Alcobaça
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa)
Nome de contacto: Maria Fernanda Diniz Avidos
Categoria:
Descrição:

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) é uma empresa pública com 42 unidades de pesquisa distribuídas por todo o Território Nacional. É uma empresa de inovação tecnológica focada na geração de conhecimento e tecnologia para agropecuária brasileira.

Telefone: (61) 34484364
Morada: Parque Estação Biológica (PqEB) s/número Asa Norte Brasília DF CEP 70770-901
ICAAM- Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas da Universidade de Évora
Nome de contacto: Patrícia Vacas de Carvalho
Categoria:
Descrição:

O ICAAM, Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas, é uma unidade de Investigação e Desenvolvimento (I&D) da Universidade de Évora que se localiza no Campus da Mitra, uma herdade experimental com cerca de 285ha a 12 km da cidade de Évora.
A missão do ICAAM é desenvolver investigação para promover a sustentabilidade da agricultura mediterrânica e dos ecossistemas relacionados.
O ICAAM desenvolve as suas atividades com base em equipas multidisciplinares que integram investigadores das áreas da Engenharia Rural, Zootecnia, Biologia, Agronomia, Física, Química, Ecologia, Economia, Paisagem e Território, Ciências do Solo e Medicina Veterinária.
Através da cooperação com outras instituições de I&D nacionais e internacionais, o trabalho desenvolvido pelo ICAAM permite concretizar os seus principais objetivos: compreender o complexo agro-ecossistema mediterrânico e promover a Inovação Tecnológica como forma de responder, de forma integrada, às necessidades sociais, económicas e técnicas no campo da agricultura, preservando ao mesmo tempo os recursos naturais e a qualidade ambiental.
O ICAAM está ativamente envolvido em Programas de Formação pós-graduada e aposta numa estreita ligação com a comunidade, promovendo de forma ativa a disseminação do conhecimento científico.

Telefone: +351266760885
Morada: Universidade de Évora, pólo da Mitra, Apartado 94
Código Postal: 7006-554 Évora
PORVID logótipo
Nome de contacto: PORVID
Categoria:
Descrição:

A PORVID congrega várias entidades públicas e privadas em Portugal que se juntaram para promover a conservação das castas de videira presentes naturalmente no seu território. Para isso, tem a seu cargo a gestão do Pólo Experimental Central para a Conservação da Variabilidade das Videiras Autóctones que se localiza em Pegões, concelho de Palmela.
São associados da PORVID (em 2017):
. Adega Cooperativa de Favaios
. Associação para o Desenvolvimento da Viticultura Duriense (ADVID)
. Associação Técnica dos Viticultores do Alentejo (ATEVA)
. Associação dos Viticultores de Palmela (AVIPE)
. Aveleda S.A.
. Câmara Municipal de Palmela (CMP)
. CARMIM
. Casa Ermelinda de Freitas
. Cooperativa Agrícola de Sto. Isidro de Pegões
. Esporão SA
. Fita Preta Vinhos
. Fundação Maria Rosa
. Herdade da Malhadinha Nova
. Instituto Nacional dos Recursos Biológicos, IP (INRB)
. Instituto dos Vinhos do Douro e Porto, IP (IVDP)
. Instituto Superior de Agronomia da Universidade Técnica de LIsboa (ISA-UTL)
. João Portugal Ramos Vinhos, SA
. José Maria da Fonseca, SA
. Real Companhia Velha, SA
. Sogrape Vinhos, SA
. Symington Family Estates
. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD)
. VITISGES

VISÃO / MISSÃO

CONSERVAR, AVALIAR E UTILIZAR A VARIABILIDADE, DE FORMA SUSTENTADA A LONGO PRAZO
= COMPETITIVIDADE,
= QUALIDADE,
= IMAGEM

Relativamente ao compartimento inter-varietal da diversidade nacional:
(1) Fazendo a prospecção integral de todas as vinhas velhas e abandonadas do país, tendo em vista a identificação de castas até aqui não reconhecidas e a ampliação do actual parque de castas autóctones, afirmando-o como o mais denso do mundo

(2) Realizando a avaliação comparada básica, cultural e qualitativa (relativamente a ≈ 12 características), de todas as castas autóctones, permitindo a detecção das merecedoras de posterior estudo mais aprofundado, com vista ao seu efectivo uso pelos viticultores, pela indústria do vinho ou por outras indústrias que pretendam utilizar os produtos da videira como matéria-prima (alimentar, farmacêutica, cosmética, corantes, etc.);

Relativamente ao compartimento intra-varietal da diversidade nacional:
(3) Completando a guarda e a quantificação da variabilidade genética intravarietal da grande maioria das castas autóctones (quando ainda se puder encontrar), através da plantação de amostras de 50 a 500 clones, que autorizarão, posteriormente, a selecção “em tempo real” em direcções inovadoras, antecipadas em função da evolução do clima, da sociedade e do mercado;

(4) Desenvolvendo metodologias que potenciem a utilização eficiente da variabilidade conservada pelo sector, de entre os quais: delineamento experimental e modelos mistos para análise de dados; métodos de avaliação expedita na vinha de características inovadoras; caracterização da interacção «Genótipo x Ambiente» dos clones; saneamento de vírus por processos “naturais”; criação de processos de pré-multiplicação rápida e sanitariamente segura de clones;

Relativamente ao compartimento silvestre da diversidade nacional:
(5) Prospectando desde largas dezenas até algumas centenas de sítios de videiras silvestres, por varrimento de todas as bacias hidrográficas do país

(6) Complementando a prospecção com a conservação duradoura in situ e conservação redundante ex situ (para agilização do acesso aos materiais por parte dos investigadores, independente da pressão humana sobre os povoamentos naturais);

Relativamente à diversidade global:
(7) Promovendo a realização de estudos diversos (genéticos, evolutivos, moleculares) sobre todos os materiais conservados (cultivados e silvestres), orientados para a quantificação comparada da variabilidade relativamente ao Cáucaso e regiões da orla mediterrânica, com vista ao reconhecimento de Portugal como centro de origem e domesticação da videira;

(8) Difundindo sistematicamente informação relativa aos materiais conservados e ao conhecimento envolvente criado, direccionada para a utilização de uns e outros pela indústria do vinho, para a afirmação perante a Sociedade da consciência ambiental e cultural do sector vitivinícola e para a construção de uma imagem exterior de ancestralidade e de excelência das vinhas e do vinho portugueses.

Morada: Tapada da Ajuda
Código Postal: 1349-017 Lisboa