Diretor geral da FAO acusa: “há mais obesos que famintos” no mundo

Diretor geral da FAO acusa: “há mais obesos que famintos” no mundo

[Fonte: O Jornal Económico]

As estimativas apontam para 830 milhões de pessoas obesas em todo o mundo, contra cerca de 820 milhões de pessoas famintas.

Esta comparação foi feita ontem, dia 20 de julho, por José Graziano da Silva, diretor geral da FAO – Organização das Nações Unidas para a Alimentação, no âmbito do FISAS – Fórum Internacional Territórios Relevantes para Sistemas Alimentares Sustentáveis, que pela primeira vez decorreu em Portugal, em Idanha-a-Nova, desde 18 de julho passado e com encerramento previsto para hoje.

Segundo, José Graziano da Silva, outros dois mil milhões de pessoas, uma em cada quatro a nível mundial, encontra-se em situação de insegurança alimentar – o que significa que não sabem se terão o suficiente para comer para a semana.

De acordo com estas contas, há, pelo menos, cerca de 3,8 mil milhões de pessoas no planeta que sofrem de carências e excessos alimentares.

Segundo os responsáveis ontem presentes no debate do FISAS, a solução está do desenvolvimento de políticas públicas adequadas,.

Até ao final do dia de hoje, estão representados no FISAS 15 países, provenientes de quatro continentes, “com uma preocupação comum: promover uma transição para sistemas alimentares sustentáveis, de maneira que nos permita cumprir os ODS [Objetivos de Desenvolvimento Sustentável] e a chegar a um futuro sustentável”, salienta um comunicado da organização.

Presente na sessão inaugural do FISAS, o Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural de Portugal, Luís Capoulas Santos, sublinhou que “Portugal tem assumido claras opções estratégicas para a produção de uma alimentação saudável e segurança alimentar”.

“Do Plano Nacional Agrícola, de que são exemplo o Estatuto de Pequena Agricultura Familiar, o Programa de Regadios Tradicionais e a Reforma da Floresta, 30 a 35% são medidas relacionadas com o clima e a questão energética”, exemplificou este governante.

Capoulas Santos terminou a sua intervenção com a atribuição da Medalha de Honra da Agricultura de Portugal ao Diretor-Geral da FAO, José Graziano da Silva, que encerra o seu segundo mandato à frente da organização este mês.

José Graziano da Silva defendeu a criação de políticas públicas adequadas para a promoção da agricultura sustentável, da agroecologia e do acesso à alimentos saudáveis por toda a população.

Como exemplos, citou a política que promove as compras públicas de alimentos provenientes da agricultura familiar, iniciada no Brasil e já implementada em dezenas de países; a rotulagem clara dos alimentos, como tem sido feito no Chile; e a taxação de alimentos não saudáveis uma vez que, a longo prazo, estes acabam por onerar os sistemas públicos de saúde.

“Não mudaremos os sistemas alimentares com tecnologia. No lugar disso, precisamos fazer mudanças nas leis e na área da investigação”, afirmou o Diretor-Geral, no mesmo dia em que a FAO anunciou que apoiará um programa de cooperação para a criação do Centro de Competências para a Agricultura Sustentável na CPLP, a ser sediado em São Tomé e Príncipe.

Segundo José Graziano da Silva, esta iniciativa é uma forma de “abrir uma janela na catedral da ‘Revolução Verde’, para plantar a ideia de que um modelo novo e mais sustentável e responsável de produção e consumo é possível. A ‘Revolução Verde’ foi capaz de prevenir a fome na década de 1970, mas atingiu seus limites e é hora de implementar diferentes modelos para combater a crescente fome e a obesidade que o mundo sofre”, concluiu.

Para Armindo Jacinto, presidente da Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, será nas comunidades rurais que se encontrará resposta às alterações climáticas.

“É essencial alterar a forma como produzimos os alimentos. Novos comportamentos e novas atitudes são o caminho para o futuro. Ignorar o sinais do planeta é por em causa o futuro da humanidade”, defende este responsável.

Para o conseguir, o autarca promete, até ao final do dia de hoje, anunciar 50 compromissos a implementar na região.

Na sessão inaugural do FISAS, estiveram também ministros da Agricultura e representantes de Governo da CPLP – Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, bem como representantes do Mecanismo da Sociedade Civil do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da CPLP e da INNER – Rede Internacional das Bio-Regiões.

Até ao final de hoje, inúmeros produtores de Portugal, Espanha, França, Brasil, São Tomé e Príncipe, Angola e Cabo Verde irão partilhar boas práticas de desenvolvimento rural.

As conclusões dos debates ficarão registadas na ‘Declaração de Idanha-a-Nova para a Promoção de Sistemas Alimentares Sustentáveis’, um acordo de referência para a ação governativa e programas que se destinem a promover a transição para sistemas alimentares mais sustentáveis em Portugal e noutros países da CPLP.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em O Jornal Económico.

Anterior Incêndios. Quinze aldeias da freguesia de Cardigos, Mação, ameaçadas pelas chamas
Próximo Fumo dos fogos em Portugal e anticiclone criam “nuvem” que cobre Extremadura espanhola

Artigos relacionados

Últimas

Escuteiros plantam 500 árvores na Serra da Estrela

Quinhentas árvores vão ser plantadas, no sábado, 26 de Outubro, no Parque Natural da Serra da Estrela, por escuteiros adultos, no âmbito de um projecto ambiental da associação Fraternidade de Nuno Álvares (FNA). […]

Últimas

Desde o início do ano já foram registados 2650 crimes de incêndio florestal e detidas 37 pessoas

Relativamente à fiscalização da limpeza de terrenos, entre 01 de abril e 23 de junho, a Guarda Nacional Republicana (GNR) procedeu à […]

Nacional

Organizações de produtores têm novas regras nacionais de reconhecimento

As organizações de produtores e as respectivas associações têm, a partir deste mês, novas regras de reconhecimento, uma decisão do Governo que se aplica também nos Açores e na Madeira e que visa a adequação à […]