Desperdício alimentar acabou. Projeto apoiado por Bill Gates garante que a fruta dura mais tempo

Desperdício alimentar acabou. Projeto apoiado por Bill Gates garante que a fruta dura mais tempo

[Fonte: O Jornal Económico]

“A Apeel é completamente comestível, insípida e segura para comer. Pode ser utilizada numa variedade de matérias-primas vegetais para criar formulações, e a fonte de matéria-prima pode variar de acordo com a sazonalidade e disponibilidade geral”, explica a empresa

Um terço dos alimentos produzidos a nível mundial para consumo humano é desperdiçado, aproximando-se de 1.300 milhões de toneladas anuais, segundo estudos da Organização das Nações Unidas para a alimentação e agricultura.

O excesso de desperdício gerou assim uma consciencialização entre os supermercados e consumidores individuais, que criaram formas para aproveitar o máximo dos produtos cuja validade já terminou, noticia o ‘El Economista’ esta terça-feira, 9 de julho.

Por essa razão a empresa Apeel Sciences, apoiada pela fundação de Bill Gates, desenvolveu um revestimento comestível sem sabor para manter as frutas e vegetais mais frescos durante mais tempo, solucionando grande parte do problema da validade destes alimentos e uma grande causa do desperdício.

A abordagem desta empresa conquistou  investimentos de outras empresas que investiram mais de 110 milhões de dólares (98 milhões de euros), devido ao sucesso dos primeiros testes entre agricultores e supermercados.

Aqui, o alimento em questão é pulverizado com uma solução líquida, obtida a partir de derivados de plantas, que cria uma camada adicional no produto, reduzindo assim as perdas de água, e o início da oxidação, que são as principais causas de deterioração de alimentos.

“A Apeel é completamente comestível, insípida e segura para comer. Pode ser utilizada numa variedade de matérias-primas vegetais para criar formulações, e a fonte de matéria-prima pode variar de acordo com a sazonalidade e disponibilidade geral. Estes ingredientes existem nas cascas, sementes e polpa de todas as frutas e legumes, literalmente, em cada mordida de fruta que comemos “, explicam os responsáveis, citados pelo El Economista.

O tratamento em frutas e verduras é sempre aplicado depois do produto ser apanhado, o que permite criar um microclima ideal dentro de cada peça, resultando em “alta qualidade, vida mais longa e melhor portabilidade”, indica a empresa que pretende “promover práticas de cultivo mais sustentáveis, alimentos de melhor qualidade e menor desperdício de alimentos”.

Até aos dias de hoje, a empresa desenvolveu soluções para morangos, abacates, espargos, citrinos, cerejas e bananas. Nos testes, os morangos duraram 45 dias, os abacates chegaram aos 25 dias, enquanto a vida dos citrinos era estendida em 60%.

Um dos segredos revelados pela Apeel Sciences é que a solução não é a mesma para todos os produtos, embora consigam “preparar a Apeel a partir de qualquer tipo de fruta ou vegetal”. A empresa explica que as componentes variam entre os produtos, embora os componentes utilizados na preservação sejam provenientes das casas dos frutos e vegetais.

O artigo foi publicado originalmente em O Jornal Económico.

Comente este artigo
Anterior Centros de Recolha Oficial de Animais de Companhia têm mais 1 M€
Próximo UE reforça segurança fitossanitária nas fronteiras. Novas regras a 14 de Dezembro

Artigos relacionados

Dossiers

Se mantiene la estabilidad en las canales de vacuno


Otra semana más de repeticiones en todas las clasificaciones de las canales de vacuno.
En el mercado exterior, […]

Últimas

Concurso de guardas-florestais fechado a pessoas com acne ou desdentadas

[Fonte: O Jornal Económico]

Candidatou-se a uma das 200 vagas para guardas-florestais da Guarda Nacional Republicana (GNR)? […]

Internacional