D. António Marto defende despartidarização da questão dos incêndios

D. António Marto defende despartidarização da questão dos incêndios

[Fonte: Rádio Renascença]

O bispo da diocese de Leiria-Fátima disse este sábado que é preciso despartidarizar a questão dos incêndios.

Na conferência de imprensa de abertura da peregrinação de Agosto, D. António Marto considerou este problema “uma causa nacional” e disse que não se deve permitir “que ninguém o instrumentalize”. Por isso, em “nome pessoal”, apelou a que “a mais alta instância representativa da nação que é o senhor Presidente da República, com a sua responsabilidade, com a sua arte de diálogo, com a sua capacidade de fazer consensos e convergências que seja ele a assumir esta mobilização, esta conjugação de energias ou sinergias e que não deixe cair no esquecimento esta causa.”

Depois de recordar a nota pastoral que os bispos portugueses emitiram em Abril passado sobre o assunto, D. António Marto apontou os erros que, mais uma vez, originam o cenário que se vive. Para o bispo “é a questão do ordenamento, territorial, do ordenamento florestal, da limpeza, dos meios de prevenção, dos recursos, estarem preparados com meios aéreos e terrestres também, porque depois ouvimos as queixas de que falta isto ou aquilo, é a questão do sistema de comunicações, do Siresp”, considerando que “essas coisas deviam estar todas prontas para serem accionadas em cima do momento e ter a certeza de que funcionam.”

Na conferência de imprensa, o bispo manifestou também “uma palavra de solidariedade para com todas as vítimas dos incêndios, com todos aqueles que os têm combatido e combatem, com uma grande abnegação, pondo em risco a própria vida e com profissionalismo mesmo, sobretudo os bombeiros.”

Anunciando que, “teremos em conta esta intenção na nossa peregrinação”, D. António Marto dirigiu ainda uma palavra de “louvor para as inúmeras iniciativas e manifestações de solidariedade, de generosidade, de partilha que têm surgido entre nós, o nosso povo, seja a nível das comunidades cristãs seja a nível civil.”

Nesse sentido, o bispo revelou que, segundo a Cáritas Portuguesa, a conta solidária da campanha “Cáritas com Portugal abraça as vítimas dos incêndios”, totaliza 1.704.813 euros. Desta verba “estão cativos 1,3 milhões para a Cáritas Diocesana de Coimbra, que anunciou assumir a construção e reconstrução de 40 casas de primeira habitação para agregados familiares mais carenciados”. “A restante verba”, anunciou o bispo, “está destinada à Cáritas Diocesana de Portalegre-Castelo Branco para a construção de oito das 14 casas de primeira habitação identificadas para já no concelho de Mação.”

Quanto ao ofertório do dia 2 de Julho passado que os bispos anunciaram iria reverter para ajudar as populações afectadas pelos incêndios, D. António Marto manifestou-se satisfeito com o resultado. Neste momento, “o contributo directo desses ofertórios totaliza 917.221 euros” mas nem todas as recolhas foram ainda entregues pelo que o bispo espera que o total venha a ultrapassar 1 milhão. Números que levaram o bispo a “salientar a generosidade do nosso povo com as vítimas desta catástrofe”.

Comente este artigo

O artigo D. António Marto defende despartidarização da questão dos incêndios foi publicado originalmente em Rádio Renascença

Anterior Incêndios: Miranda do Corvo activa o Plano Municipal de Emergência
Próximo Incêndio com duas frentes lavra com intensidade em Ferreira do Zêzere

Artigos relacionados

Últimas

Incêndios: Proteção Civil justifica valores da área ardida com condições meteorológicas severas

[Fonte: Observador]

O comandante nacional operacional da Proteção Civil justificou esta terça-feira os valores da área ardida deste ano com as condições severas da meteorologia, mas lembrou que 2003 e 2005 tiveram as mesmas características e os prejuízos na floresta foram muito maiores. […]

Nacional

Presunção e água benta…

[Fonte: Jornal económico]

Cada um toma a que quer! Um ditado popular que bem encaixa em quem não tem contenção ou pelo menos bom senso no que diz. Que acha que as gabarolices em títulos de jornais apagam o que décadas de políticas florestais de sucessivos governos incendeiam hoje. […]

Nacional

Incêndios deslocaram mais de 200 pessoas

[Fonte: Jornal económico]

Os incêndios em Portugal já deslocaram mais de 200 pessoas, desde o passado dia 11 de agosto, de acordo com a informação transmitida pela porta-voz da Proteção Civil, na habitual atualização sobre os fogos, na manhã desta sexta-feira, 18 de agosto. […]