Contaminações de origem “natural”.

Contaminações de origem “natural”.

[Fonte: Anipla - fitotema]

Todos temos noção que os Europeus não consideram como “perigosas“ as contaminações de origem “natural“, só a contaminação de alimentos com “químicos“ estão no seu radar de preocupações. Felizmente existem especialistas que alertam para os graves problemas que as toxinas de origem “natural“ podem ter para a Saúde Humana.

Se lhe pedíssemos para pensar em algo perigoso ou tóxico, o mais certo é que lhe ocorra na ideia um produto químico. Estamos certos? E se, pelo contrário, lhe pedíssemos para pensar em algo extremamente saudável? É provável que pense em produtos naturais. A verdade é que esta associação entre químicos e o perigo ou toxicidade, ou entre algo bom para a saúde e os produtos naturais, é um preconceito da nossa cultura base-ado em estereótipos e não na real perigosidade ou risco dos componentes dos produtos.

Na realidade, a indústria química tem, ao longo dos anos, sido tão controlada e auditada, agindo sobre grande escrutínio da inspecção das autoridades para a saúde pública, que quase arriscamos dizer-lhe, com base nas notícias dos últimos anos, que é quase impossível ser envenenado por um produto agrícola e é mais provável ser envenenado por um produto alegadamente natural (recorde que em 2011, rebentos de feijão orgânicos, contaminados pela bactéria E. Coli, foram responsáveis por, pelo menos 35 mortes na Alemanha).

Outro caso é o tema das Micotoxinas, um perigo natural escondido na alimentação humana e animal. As micotoxinas são toxinas produzidas por fungos que colonizam as culturas agrícolas.

Um estudo realizado pelo Adersons Centre e o HFFA Research GmbH aprofundou o impacto que as micotoxinas podem ter nas cadeias de distribuição agrícolas, de rações e de alimentos na União Europeia e as subsequentes implicações para a saúde humana e animal. A verdade é que as micotoxinas têm estado constantemente no top 3 das causas de alertas de segurança alimentar em alimentos para humanos e animais no RASFF, o Sistema de Alerta Rápido para os Géneros Alimentícios e Alimentos para Animais da Comissão Europeia.

As micotoxinas representam um desafio crescente para a segurança alimentar europeia, que necessita de ser assumido pelos legisladores. O seu controlo passa pela adoção e promoção das boas práticas agrícolas, onde se inclui a produção integrada, a rotação de culturas e as boas condições de armazenamento, assim como uma utilização responsável de fungicidas.  A redução de produtos fitofarmacêuticos terá um impacto direto na capacidade de os agricultores mitigarem as contaminações por micotoxinas.

Da próxima vez que lhe falarem em produtos saudáveis, talvez este texto o incentive a colocar mais perguntas.

Comente este artigo

O artigo Contaminações de origem “natural”. foi publicado originalmente em Anipla - fitotema

 

Saiba mais sobre a campanha →considere os factos←

Anterior Expertos de todo el mundo debaten sobre la Xylella en Palma de Mallorca
Próximo Valencia convoca las ayudas a la primera instalación de jóvenes

Artigos relacionados

Nacional

Para inovar no agro precisamos ser “crianças”

[Fonte: Voz do Campo]

Já se vão cerca de 20 anos que faço parte do vasto universo do agronegócio.
É estranho pensar que, ao mesmo tempo que consideramos isso um período de tempo grande, temos também a visão de que é só o começo de uma história, […]

Últimas

Portugal integra consórcio internacional para estudar ‘tremoço dos Andes’

[Fonte: Vida Rural]

A Lusosem e o Instituto Superior de Agronomia (ISA) integraram um consórcio internacional para o estudo do ‘tremoço dos Andes’ (Lupinus mutabilis). O consórcio, batizado de LIBBIO, conta com 11 entidades públicas de investigação e três empresas privadas de oito países europeus. […]

Nacional

Glamping de luxo nas vinhas chega ao Alto Minho

[Fonte: Gazeta Rural]

Chega a Portugal um conceito único e irresistível, resultando num expoente máximo da simbiose perfeita do romance, luxo e natureza no coração do Norte. O “Carmo’s Boutique Hotel – Small Luxury Hotels of the World”, em Ponte de Lima, […]