Condutores de tratores obrigados a ter formação a partir de 2021

Condutores de tratores obrigados a ter formação a partir de 2021

Os condutores de veículos agrícolas são a partir de fevereiro de 2021 obrigados a ter formação específica, não bastando carta de condução ou licença, revela um despacho hoje publicado que define os conteúdos e quem ministra essa formação.

Esta obrigatoriedade, criada por decreto-lei publicado no final de 2017, visa prevenir acidentes com máquinas agrícolas, aplicando-se aos condutores habilitados com cartas de condução da categoria B que conduzam tratores da categoria II, e das categorias C e D, que pretendam conduzir veículos agrícolas das categoria II e III.

O diploma de 2017 determinou que seria mais tarde publicado em despacho os conteúdos programáticos da ação de formação, bem como as entidades autorizadas a ministrá-la e a data a partir da qual seria exigida a formação.

Os condutores de veículos agrícolas com carta de condução da categoria B que pretendam conduzir veículos agrícolas da categoria II e com carta de condução das categorias C e/ou D que pretendam conduzir veículos agrícolas das categorias II e III, dispõem de dois anos, após a data de entrada em vigor do presente despacho, para realizarem com aproveitamento a formação”, lê-se no despacho que entra sexta-feira em vigor.

O despacho, publicado esta quinta-feira, define que os condutores com carta de condução que os habilite a conduzir veículos das categorias B, C e/ou D que pretendam conduzir veículos agrícolas da categoria II e III, devem realizar a ação de formação “Conduzir e operar com o trator em segurança”, de 35 horas, ou a formação de curta duração “Condução e operação com o trator em segurança” de 50 horas.

Os acidentes com tratores agrícolas provocaram, em média, cinco mortes por mês em 2017, segundo um balanço da Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas e do Crédito Agrícola de Portugal (Confagri), revelado em fevereiro do ano passado na sessão de esclarecimento “Prevenção de acidentes agrícolas com tratores e máquinas agrícolas. Formação obrigatória”.

Na estatística da sinistralidade com tratores na União Europeia, Portugal ocupa o terceiro lugar, a seguir à Grécia e à Polónia, contabilizando 123 vítimas mortais de acidentes com tratores agrícolas entre 2015 e 2016.

Esta é a principal causa de morte no trabalho agrícola a nível nacional, registando-se, segundo dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, 68 vítimas mortais em 2016 e 55 em 2015.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Observador.

Anterior Fenareg: Modernização de regadios deve ser prioridade na PAC pós 2020
Próximo Dia de campo / Ação de demonstração MaisSolo

Artigos relacionados

Sugeridas

Dir. reg. da Agricultura diz à RC que prejuízos dos regantes da Vigia são atenuados pelas culturas permanentes e pelas ajudas diretas (c/som)

[Fonte: Rádio Campanário] José Godinho Calado, diretor regional de Agricultura e Pescas do Alentejo, falou aos microfones da RC sobre a situação da Barragem da Vigia (Redondo), […]

Últimas

“É necessária mais globalização política” para salvar a vida tal como a conhecemos

Especialista dos efeitos das alterações climáticas na biodiversidade, prémio Pessoa 2018, Miguel Bastos Araújo é o convidado desta semana do “Hora da Verdade”, […]

Nacional

Candidaturas ao Prémio Newbie prolongadas até 31 de Janeiro

Foi prolongado até 31 de Janeiro de 2020 o período de candidaturas à edição de 2019 do Prémio Newbie. Este galardão europeu visa «premiar novos modelos de negócio agrícolas que resultam de formas inovadoras de ultrapassar as barreiras com que os novos empresários agrícolas se deparam quando se tentam estabelecer». […]