Comercialização de carne de bovino nos Açores cresce desde 2017

Comercialização de carne de bovino nos Açores cresce desde 2017

[Fonte: Açoriano Oriental]

A comercialização de carne de bovino nos Açores registou um crescimento de 11% nos primeiros oito meses de 2018, em relação ao período homólogo, na sequência do abate de 48 mil animais, informou o Governo Regional.

Dos abates resultaram, no total, 11 mil toneladas de carne, absorvidas em 55% pela exportação, enquanto o restante foi canalizado para o mercado interno. Segundo a Secretaria Regional da Agricultura e Florestas, entre janeiro e agosto registou-se um crescimento de 3,2% no consumo local e de 18% na exportação de carne de bovino. Também nos abates de bovinos com Identificação Geográfica Protegida (IGP), cuja carne é mais valorizada no mercado, assistiu-se a um crescimento, neste caso de cerca de 30%. De acordo com a nota de imprensa, estes indicadores “traduzem a dinâmica de crescimento e de afirmação sustentável da fileira da carne no contexto do setor agrícola dos Açores”. Para a Secretaria Regional da Agricultura e Florestas a “situação favorável que se verifica no mercado da carne de bovino é resultado da aposta estratégica do Governo dos Açores nesta fileira”, que passou por investimentos realizados na rede regional de abate e pelo “grande trabalho que os agricultores têm feito ao nível da melhoria constante das suas produções”. A carne dos Açores provém das carcaças de bovinos nascidos, criados e abatidos na região, segundo os moldes tradicionais, estando as suas caraterísticas “intimamente ligadas, por um lado, às condições edafoclimáticas (solo e clima) dos Açores, propícias à criação de gado em pastagens naturais” e, por outro, aos “métodos ancestrais de alimentação e condução do gado seguido pelas populações da região”. A alimentação das crias é efetuada de modo tradicional, com leite materno, pelo menos até cerca dos três meses, e a partir desta idade é fornecida uma alimentação tradicional, constituída por erva das pastagens naturais ou melhoradas. Até serem abatidos, os animais são alimentados com pastagens, sendo muitas vezes complementada a sua alimentação com silagens e fenos obtidos nas próprias pastagens e com concentrados energéticos e proteicos.

 

Comente este artigo

O artigo Comercialização de carne de bovino nos Açores cresce desde 2017 foi publicado originalmente em Açoriano Oriental

Anterior CNA acusa Ministério da Agricultura de discriminar agricultores do Algarve lesados pelo incêndio de Monchique
Próximo VW Amarok de 258 cv. Siva apresentou-o na AgroGlobal

Artigos relacionados

Últimas

Maria do Carmo Martins, presidente da Coop. Agrícola de Alcobaça

[Fonte: Voz do Campo]

“O grande desafio é o das alterações climáticas para o qual temos de olhar com inovação”
Entrou como vogal na anterior direção da Cooperativa Agrícola de Alcobaça, mas nas últimas eleições foi o rosto da equipa vencedora e que assumiu funções no início deste ano.Maria do Carmo Martins será […]

Últimas

Encontros de Networking – Inovação nas fileiras do Mel e dos Cogumelos – 9 de Novembro 2017 – Portalegre

Gostaria de partilhar experiências empreendedoras, saber mais sobre inovação e investimentos na fileira dos recursos silvestres?
A ADPM e a INOVISA vão promover encontros de Networking dirigidos aos diferentes intervenientes dos recursos silvestres do Alentejo (produtores, transformadores, utilizadores), como forma de contribuir para o estabelecimento de novas parcerias, […]

Últimas

Quinta da Alorna e Pascoalini criam gelado de abafado

[Fonte: Vida Rural]

A Quinta da Alorna e a Pascoalini uniram-se para criar um gelado a pensar nos apreciadores de gelado e de vinho. Fruto da união entre duas empresas ribatejanas chega agora às gelatarias da Pascoalini um gelado à base do Quinta da Alorna Abafado 5 years. […]