CNA pede lei que reconheça “papel económico, social e ambiental” da Agricultura Familiar

[Fonte: Vida Rural]

A Via Campesina Internacional, da qual a Confederação Nacional da Agricultura (CNA) faz parte, declarou o dia 17 de abril como o Dia Internacional da Luta Camponesa. Para assinalar o dia, este ano a organização lançou um apelo geral para a sensibilização das populações para a importância da Agricultura Familiar, pedindo que subscrevam uma petição mundial pelos direitos dos camponeses.

Em Portugal, a CNA associou-se à iniciativa e está a apelar à população e a todas as entidades conscientes para que “reclamem junto das instituições e do Governo para que seja uma voz ativa e que contribua decisivamente para a aprovação desta Declaração da ONU e, na especificidade no nosso país, reclama a consagração jurídica do Estatuto da Agricultura Familiar Portuguesa”.

A CNA tem vindo a reclamar uma lei que reconheça a importância da Agricultura Familiar pelo seu “papel económico, social e ambiental”. Em comunicado, a organização refere que “atendendo à progressiva discriminação e asfixia da Agricultura Familiar pela PAC e por muitas das políticas nacionais e à degradação e empobrecimento de muitas regiões do nosso país, aprovou no seu último Congresso a Proposta de Estatuto da Agricultura Familiar Portuguesa”.

A Confederação Nacional da Agricultura refere ainda que “o resultado de trinta anos de sujeição às imposições e opções da PAC em privilegiar o grande agronegócio multinacional, a postura submissa de sucessivos governos e as políticas nacionais que desenvolveram de apoio aos grandes proprietários, mesmo sem produzirem, e a opção da exportação, em prejuízo do consumo interno, levaram à extinção de mais de metade das explorações agrícolas, no essencial as pequenas e médias e à manutenção do deficit alimentar em níveis que atentam contra a nossa soberania alimentar.”

Por estas razões, a organização refere que “urge rasgar com as políticas seguidas nas últimas décadas e encetar políticas nacionais – agrícolas, pecuárias e florestais – assentes no nosso valioso património e na grande massa que é a Agricultura Familiar, reconhecendo e valorizando a sua importância e necessidade para o desenvolvimento do país.”

A CNA quer, assim, que seja criada uma lei que “ao caracterizar a Agricultura Familiar, reconheça o seu papel económico, social e ambiental, lhe assegure os meios e os mecanismos necessários à sua sustentabilidade, para bem das regiões e da soberania alimentar de Portugal”.

Para debater este tema, a CNA vai realizar nos dias 23 e 24 de junho a ‘Conferência Nacional: Estatuto da Agricultura Familiar Portuguesa’, uma iniciativa que decorre nos Auditórios da Escola Superior Agrária de Coimbra e que tem como objetivo “unir forças e sensibilidades que levem à consagração legislativa do reconhecimento da importância e da necessidade de defender e de promover uma Agricultura Familiar dinâmica, que reconheça o direito à terra que trabalha, o direito a produzir e a contribuir para uma alimentação de qualidade e para alcançarmos a nossa soberania alimentar”.

Comente este artigo

O artigo CNA pede lei que reconheça “papel económico, social e ambiental” da Agricultura Familiar foi publicado originalmente em Vida Rural

Anterior Descubren un cambio en el genoma que produce tomates sin semillas
Próximo ICL Specialty Fertilizers presenta sus soluciones integrales para la fertilización del viñedo

Artigos relacionados

Últimas

Organização Mundial do Turismo renova certificação TEdQual às licenciaturas do IPLeiria

[Fonte: Agricultura e Mar]
A Organização Mundial do Turismo das Nações Unidas acaba de renovar a certificação de qualidade TedQual às seis licenciaturas na área do Turismo da Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar do Politécnico de Leiria (ESTM/IPLeiria).
O selo de qualidade é […]

Últimas

Porto de Lisboa bate recordes nas exportações e carga contentorizada

[Fonte: Agricultura e Mar]
O primeiro trimestre de 2017 foi de recordes para o Porto de Lisboa. As mercadorias embarcadas naquela infra-estrutura portuária registaram um crescimento de 33%, consolidando e reforçando a posição do Porto de Lisboa como “elo fulcral ao serviço das empresas exportadoras nacionais”, […]

Últimas

Agricultura pode travar alterações climáticas, defende diretor-geral da FAO

[Fonte: Vida Rural]
As alterações climáticas representam um enorme risco para as populações rurais dos países em desenvolvimento, contudo, a agricultura pode ajudar a travar a sua evolução, defendeu recentemente o diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva.
De acordo com o Jornal de Angola, […]