Chega ao mercado clone de castanheiro imune à doença da tinta

Chega ao mercado clone de castanheiro imune à doença da tinta

[Fonte: Rádio Renascença]

 Chama-se “ColUTAD”. É um porta-enxerto, um clone de castanheiro imune à doença da tinta e foi desenvolvido por investigadores da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD). Segundo os especialistas, o clone já foi testado com a colaboração de dezenas de agricultores e é imune à doença que destruiu em 20 anos cerca de um milhão destas árvores em Portugal.

“A UTAD encontrou, assim, o antídoto contra a doença para ser usado nas novas plantações de castanheiros e, tal como uma pessoa vacinada contra uma doença lhe fica imune, assim acontece com os soutos que recebem estes porta-enxertos”, revela, em comunicado, José Gomes Laranjo, investigador e docente do departamento de Biologia e Ambiente.

O clone é um castanheiro híbrido, resultante do cruzamento entre o castanheiro europeu “Castanea sativa” e o japonês “Castanea crenata”. O investigador José Laranjo explica que os clones, depois de plantados, “funcionam como barreira à progressão da doença” e mesmo que a plantação “seja feita em terrenos já invadidos por ela, está provado que o novo castanheiro não morre”.

O clone vai ser colocado nos circuitos comerciais através da Serviruri – Prestação de Serviços Técnicos agrícolas, com quem a UTAD vai assinar um protocolo de transferência da gestão dos direitos comerciais. Por cada planta vendida, a UTAD irá receber uma percentagem financeira, que irá reverter para o aprofundamento do estudo do “ColUTAD” e obtenção de mais porta-enxertos resistentes.

A doença da tinta foi responsável pela destruição, nos últimos vinte anos, de “perto de um milhão de castanheiros” em Portugal. Esta doença é causada por um fungo que ataca as raízes e acaba por levar à morte da árvore.

As alterações climáticas, que têm provocado cada vez mais no período de verão um excesso de calor e secura das terras, foram determinantes para o agravamento dos efeitos da doença, afetando cerca de oito mil hectares de soutos.

O clone, que vai ser comercializado, é o resultado de investigações desenvolvidas ao longo de várias décadas e que, segundo a UTAD, contou com o contributo do investigador Columbano Taveira Fernandes, nos anos 50 do século passado, e, nos anos 80, de investigadores da UTAD, como o antigo vice-reitor António Lopes Gomes, Carlos Abreu, Luís Torres de Castro e Alberto Santos.

Saiba mais sobre projetos de inovação para o setor agrícola na nossa página dossiers sobre inovação

Comente este artigo

O artigo Chega ao mercado clone de castanheiro imune à doença da tinta foi publicado originalmente em Rádio Renascença

Anterior El Gobierno no quiere cofinanciar la PAC porque eso conllevaría recortes en las ayudas al sector
Próximo Cotações – Hortícolas – Informação Semanal – 2 a 8 de Abril 2018

Artigos relacionados

Nacional

Portugal é responsável por 57% das exportações de azeite para o Brasil

[Fonte: Agricultura e Mar]
O Brasil importou mais de 60 mil toneladas de azeite na campanha 2016/2017. Portugal é o principal fornecedor, com 57% do azeite exportado, segundo os dados agora divulgados pelo Conselho Oleícola Internacional (COI).
Durante a última campanha de 2016/2017 as importações brasileiras de azeite e bagaço de azeite ascenderam a 60.139,9 toneladas, […]

Nacional

IAPMEI lança série em vídeo sobre boas práticas Portugal 2020

[Fonte: Agricultura e Mar]

O IAPMEI — Agência para a Competitividade e Inovação quer facilitar o acesso à informação mais relevante para evitar incidentes na execução dos projectos apoiados pelo Portugal 2020.
Por isso, está a desenvolver uma série de vídeos tutoriais de boas práticas a adoptar para que se evitem esses mesmos incidentes. […]

Nacional

“Ribeira Quente recebe projeto experimental de aquacultura” é a manchete do Açoriano Oriental

[Fonte: Açoriano Oriental]

A manchete do Açoriano Oriental destaca que a Aquazor, sociedade na qual participa o Grupo Finançor, vai começar a testar produção de algas na Ribeira Quente, seguindo-se a Terceira e o Faial.

“Gasolina sobe dois cêntimos e regressa a valores de 2014” […]