‘Chef’ Justa Nobre cruza nos Açores produtos da região com influência transmontana

‘Chef’ Justa Nobre cruza nos Açores produtos da região com influência transmontana

[Fonte: Gazeta Rural]

A ‘chef’ Justa Nobre encontra-se na ilha de São Miguel, onde promove hoje um jantar de influência transmontana, mas idealizado com ingredientes açorianos, que diz serem “mais naturais” que os do continente.

É nas suas origens, em Trás-os-Montes, que a ‘chef’ encontra a inspiração para os pratos que traz hoje à ilha de São Miguel, mas foi no mercado da Graça, no coração de Ponta Delgada, que encontrou na manhã de quinta-feira os ingredientes que vai utilizar para o jantar que dará num restaurante em Rabo de Peixe.

Pela ementa vão passar os cuscos transmontanos com marisco, que acompanham o peixe fresco, do dia, bem como um carré com batata doce e chalotas.

Os pratos são transmontanos, mas os ingredientes têm origem açoriana, como a batata doce, o funcho, o peixe ou o ananás, explicou Justa Nobre à agência Lusa, confessando que os produtos regionais do arquipélago “são mais naturais, não são tão de estufa, têm um sabor muito mais intenso e um paladar muito melhor”.

“A carne tem outro sabor, conseguimos comprar carne fresca, boa, há produtos que têm outro sabor, até pela origem onde são cultivados. Por exemplo, cheiramos as ervas aromáticas e têm um cheiro intenso, olhamos para os espinafres e para os agriões, e vê-se que têm uma cor forte, uma cor mesmo de produtos que são criados com a natureza, no campo, sem grandes tratamentos, logo aí, os produtos são muito melhores”, afirmou.

A ‘chef’ confessou não conhecer bem a gastronomia açoriana, mas reconheceu diferenças entre algumas iguarias nacionais e regionais, como é o caso do cozido ou dos enchidos, que, surgem no continente e no arquipélago açoriano em versões bastante distintas.

Justa Nobre considera que “é bom que as pessoas estejam informadas e é bom que as pessoas gostem de cozinhar”, porque “comer é uma coisa muito importante, é das coisas mais importantes” para o corpo e para o “bem-estar”.

E se, “para alguns, cozinhar é anti-stress, é bom,” para a ‘chef’ transmontana é uma profissão e Justa Nobre admite ter “a sorte” de ter escolhido uma atividade que a “apaixona”.

“Se estou contente, gosto de estar na cozinha, se estou triste, gosto de estar na cozinha. A cozinha é o meu mundo. Há pessoas que realmente estão a apanhar o gosto pela cozinha e isso é muito melhor porque podem saber o que comem”, concretiza.

Justa Nobre promove hoje um jantar no restaurante Botequim Açoriano, na freguesia de Rabo de Peixe.

Fonte: Sapo.pt

Comente este artigo

O artigo ‘Chef’ Justa Nobre cruza nos Açores produtos da região com influência transmontana foi publicado originalmente em Gazeta Rural

Anterior Coto a las ayudas PAC: Más de la mitad no tienen al menos el 25% de ingresos agrarios sobre sus totales
Próximo Desafios do setor leiteiro tornam “inevitável” entendimento entre produção, transformação e comercialização, afirma Vasco Cordeiro

Artigos relacionados

Últimas

Aldeia de xisto decide arrancar eucaliptos e plantar árvores mais resistentes


Os moradores da aldeia de xisto de Ferraria de São João, no concelho de Penela, decidiram, em assembleia, avançar com uma zona de proteção da povoação, arrancando eucaliptos e plantando árvores mais resistentes aos fogos.
A moção da assembleia de moradores foi aprovada por unanimidade no domingo e prevê […]

Dossiers

Meta de 50% de recolha de embalagens de pesticidas agrícolas é realista – Valorfito

[Fonte: TSF ]

A atual meta de recolha de 50% das embalagens de fitofarmacêuticos agrícolas, como pesticidas, consideradas resíduos perigosos, está de acordo com a lei e “é realista” atendendo às características do setor, defendeu hoje a entidade gestora destes materiais.

“A meta para a taxa de retoma atual (50%) está de acordo com o definido” […]

Dossiers

Se impone la estabilidad en los precios en origen del aceite de oliva

[Fonte: Agropopular – Cotações]

Los precios en origen de aceite de oliva se mantuvieron estables a lo largo de la semana. Fuentes de Oleoestepa señalan que se hicieron operaciones en aceite virgen extra a 2.800 euros, en virgen a partir de 2.450 hasta 2.750 euros y en lampante a 2.250 euros por tonelada. […]