Certificação florestal: virtude ou engodo?

Certificação florestal: virtude ou engodo?

[Fonte: Gazeta Rural]

A ACRÉSCIMO mantém e reforça as dúvidas quanto às virtudes da certificação florestal enquanto garantia, à sociedade, de uma gestão sustentável nas áreas detentoras de certificado.

Em causa, acresce a debilidade do sistema de controlo à adição de madeira proveniente de áreas não certificada à madeira colhida em áreas detentoras de certificado emitido pelo FSC (Forest Stewardship Council) e PEFC (Programme for the Endorsement of Forest Certification).

O circuito entre a mata e o destino fabril é susceptível de contaminação de madeira proveniente de áreas certificadas com madeira externa, não certificada. Esta ocorrência compromete a garantia dada pelos sistemas de certificação a quem opte pela aquisição, com custo acrescido, de produtos de base florestal com certificado FSC e PEFC. O sistema de controlo baseado na facturação está longe de evitar essa contaminação, sobretudo no que respeita à madeira de eucalipto, o produto com maior expressão neste tipo de certificação.

Havendo entidades certificadas que adoptaram procedimentos complementares de controlo, o facto é que a maioria, sobretudo nas regiões do Centro e do Norte, não o faz.

A par do risco de contaminação de madeira certificada por não certificada, a ACRÉSCIMO tem vindo a alertar para outras fragilidades destes sistemas de certificação.

O tipo de monitorização da aplicação de resíduos industriais em areas florestais certificadas é um deles. Não existem procedimentos públicos que assegurem a monitorização dos riscos. Esta situação persiste há vários anos, podendo colocar em causa a saúde pública.

A possibilidade da certificação imediatamente antes da venda da madeira é outro facto que merece crítica. Com efeito, o objecto da certificação, o garantir uma gestão florestal sustentável, fica seriamente comprometido.

Mas, as vantagens para os agentes da fileira florestal ficam garantidas: vende com preço acrescido um produto com forte possibilidade de vício no sistema.

Os representantes em Portugal dos sistemas de certificação florestal FSC e PEFC têm de decidir se este instrumento de mercado tem as virtudes que dizem assegurar, ou se não passa de um engodo aos consumidores e contribuintes.

Lisboa, 22 de Janeiro de 2019

A Direcção da ACRÉSCIMO – Associação de Promoção ao Investimento Florestal

Comente este artigo

O artigo Certificação florestal: virtude ou engodo? foi publicado originalmente em Gazeta Rural

Anterior Em Oleiros lagarta do pinheiro já iniciou migração
Próximo IPV acolhe ciclo de seminários: “Agricultura familiar, agricultura biológica e desenvolvimento rural”

Artigos relacionados

Dossiers

Oferta de Emprego – Técnico Superior Assessoria Técnica (M/F) – Lisboa

A CELPA – Associação da Indústria Papeleira pretende contratar Técnico Superior para assessoria técnica das boas práticas da cultura do eucalipto, integrando o Projecto “Melhor Eucalipto”.

Nacional

Plano municipal de defesa da floresta contra incêndios de Anadia em consulta pública

[Fonte: Gazeta Rural]

O Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios (PMDFCI) encontra-se em consulta pública, pelo prazo de 15 dias, até ao dia 8 de fevereiro.
O PMDFCI tem como objetivos aumentar a resiliência do território aos incêndios rurais; […]

Últimas

Pacote florestal do Governo e projetos do BE votados até 19 de julho

Lisboa, 21 jun (Lusa) — A Assembleia da República vai votar até ao final da sessão legislativa, a 19 de julho, o pacote florestal do Governo e os projetos de lei do BE sobre o mesmo tema.

Comente este artigo
#wpdevar_comment_5 span,#wpdevar_comment_5 iframe{width:100% !important;} […]