CDU denuncia subaproveitamento de fundos comunitários

CDU denuncia subaproveitamento de fundos comunitários

[Fonte: O Jornal Económico]

Ricardo Lume afirma que o reforço da CDU seja no Parlamento Europeu, seja na Assembleia da República ou na Assembleia Regional é determinante para garantir que existe uma política de valorização da produção regional e “que não serão desperdiçadas oportunidades para garantir a nossa soberania alimentar, o aumento do rendimento dos produtores e consequente melhoria da qualidade de vida”.

O candidato da CDU ao Parlamento Europeu Ricardo Lume esteve na passada segunda-feira, no concelho da Ponta do Sol, onde denunciou um “subaproveitamento dos fundos comunitários para a construção de infraestruturas fundamentais para o desenvolvimento do setor agrícola, nomeadamente a construção de caminhos agrícolas”.

Ricardo Lume diz mesmo que “por inércia do Governo Regional” em 2017 a Região aproveitou apenas 43% dos fundos comunitários.

“Quando existem apoios para o sector da agricultura, para a construção de caminhos agrícolas e para potenciar a produção deste sector e não são aproveitados é sinal de que não existe por parte do Governo Regional nem das autarquias uma política de valorização do sector primário e de salvaguarda da nossa paisagem, fator determinante para a promoção do turismo da nossa Região”, refere o candidato, acrescentando que é preciso “punir” quer o PSD, quer o PS “que remetem tanta gente e tantas localidades para o rol dos esquecidos, a quem roubam o direito ao progresso”.

Ricardo Lume diz que o PSD no Governo Regional e a Câmara Municipal, do PS, deixam as populações excluídas dos direitos ao desenvolvimento, referindo-se a promessas feitas para a construção do novo caminho com ligação dos Anjos aos Canhas, sendo que nada se concretizou. Para o candidato às eleições europeias o resultado é o isolamento e o prejuízo para a produção e para os produtores agrícolas.

Para concluir, Ricardo Lume afirma que o reforço da CDU seja no Parlamento Europeu, seja na Assembleia da República ou na Assembleia Regional é determinante para garantir que existe uma política de valorização da produção regional e “que não serão desperdiçadas oportunidades para garantir a nossa soberania alimentar, o aumento do rendimento dos produtores e consequente melhoria da qualidade de vida”.

O artigo foi publicado originalmente em O Jornal Económico.

Comente este artigo
Anterior CLM paga 9,4 millones de ayudas de la PAC a 1.700 beneficiarios incluyendo a los que tuvieron incidencias o controles
Próximo Projeto de produção de cannabis vai criar 50 postos de trabalho em Campo Maior

Artigos relacionados

Nacional

João Ponte: POSEI tem potenciado o crescimento do sector agrícola nos Açores

O secretário Regional da Agricultura e Florestas afirmou que o programa POSEI tem potenciado o crescimento do sector agrícola nos Açores, […]

Sugeridas

Agricultura espanhola em risco devido à qualidade de água de aquíferos

Os aquíferos da zona de Almeria estão a ficar salinizados comprometendo o regadio de uma das maiores zonas de produção hortofrutícola da Europa. […]

Últimas

A floresta, para quem não a trabalha – Daniel Deusdado

[Fonte: DN] Era uma frase revolucionária: “A terra, para quem a trabalha”. Pudéssemos pegar nela e transformá-la para a floresta portuguesa e daríamos um salto civilizacional. […]