Caravela-Portuguesa: Bloom a nível nacional

Caravela-Portuguesa: Bloom a nível nacional

Caravela-Portuguesa: Bloom a nível nacional

teste2019-05-14 (IPMA)

A espécie Physalia physalis (Caravela-Portuguesa) está, de momento, a ocorrer em toda a costa Portuguesa, incluindo nos Açores e Madeira.

Entre as espécies que ocorrem em Portugal, a Caravela Portuguesa é a que exige mais cautela. Influenciada por ventos e correntes de superfície, é frequentemente avistada na nossa costa. Apresenta um flutuador em forma de “balão” de cor azul e, por vezes, tons lilás e rosa; os seus tentáculos podem chegar aos 30m de comprimento e são muito urticantes, capazes de provocar graves queimaduras. Por isso, é importante relembrar que não se deve tocar nos tentáculos, mesmo quando a Caravela portuguesa aparenta estar morta na praia.

O GelAvista, relembra os cuidados a ter em caso de contacto com os tentáculos de uma caravela: deve limpar bem a zona afetada com água do mar e retirar quaisquer pedaços de tentáculos que possam ter ficado presos na pele. Poderá aplicar vinagre e bandas quentes e deverá procurar assistência médica.

A desenvolver a sua atividade desde 2016, o programa GelAvista tem vindo a envolver os cidadãos na ciência para a necessária recolha de informação sobre a ocorrência ou inexistência de organismos de aspeto gelatinoso na costa Portuguesa. Recebe informação sobre a presença de organismos gelatinosos, alertando a população, e transmite informação científica sobre as espécies, bem como os cuidados a ter em caso de contacto direto com a pele.

Qualquer ocorrência desta ou de outras espécies de organismos gelatinosos poderá ser comunicada ao programa GelAvista. A informação de cada avistamento (data, local, número de organismos e fotografia com objeto a servir de escala) deverá ser enviada para o email [email protected], ou através da aplicação GelAvista disponível na Play Store para sistemas Android.

Na página de facebook do GelAvista são frequentemente partilhadas as mais recentes ocorrências de organismos gelatinosos em Portugal, e no sítio gelavista.ipma.pt está também disponível informação sobre as espécies.

O Gelavista pretende continuar a contar com a colaboração da população para estudar e compreender a dinâmica dos organismos gelatinosos a larga escala em território nacional para que, no futuro, seja possível a previsão destas ocorrências.

Siga-nos no:

O artigo foi publicado originalmente em IPMA.

Veja a previsão do tempo e a melhor altura para pulverizar na nossa página de Meteorologia powered by Syngenta.

Comente este artigo
Anterior A cultura do abacateiro no Algarve e a sua floração peculiar
Próximo Registaram-se 119 fogos florestais desde sábado

Artigos relacionados

Últimas

Agrotejo promove curso sobre a Mecanização Básica e Condução de Veículos Agrícolas

A Agrotejo vai promover um curso sobre a Mecanização Básica e Condução de Veículos Agrícolas com inicio previsto a 3 de fevereiro e fim a a 24 de março de 2020 – com uma duração de 250 horas em horário laboral. […]

Ofertas

Oferta de emprego – Técnico Superior – Engenheiro Agrónomo – Ribeira de Pena

O descrito no anexo a que se refere o n.º 2 do art.º 88.º da LTFP, designadamente: Garantir o apoio técnico à formulação de políticas agrícolas e de desenvolvimento rural, ao planeamento […]

Dossiers

Cotações – Coelhos – Informação Semanal – 17 a 23 Junho 2019

Análise SIMA – Sistema de Informação de Mercados Agrícolas
As cotações médias nacionais do coelho, vivo (2,2 a 2,5 Kg) e abatido (1,1 a 1,3 Kg), […]