Apenas 14% das empresas paga atempadamente aos fornecedores

Apenas 14% das empresas paga atempadamente aos fornecedores

[Fonte: O Jornal Económico]

As microempresas representaram uma subida entre as que pagam com atrasos superiores a 90 dias, uma vez que passaram de 13,4% em 2009 para 16,1% em 2018.

No final de maio de 2019, apenas 14% das empresas em Portugal cumpria os prazos de pagamento às empresas fornecedoras. Apesar deste registo, a Informa D&B realça que o cenário “tem vindo a degradar-se nos anos recentes”, colocando Portugal como um dos países em que as empresas não cumprem os prazos de pagamento acordados.

As microempresas estão a contribuir significativamente para agravar este indicador em Portugal, uma vez que nos últimos 10 anos a percentagem de microempresas que cumpre os prazos de pagamentos recuou 12,5 pontos percentuais. Em 2009, 26,7% das microempresas pagavam aos seus fornecedores dentro dos prazos acordados, um valor que entretanto desceu para os 14,2% em 2018.

O problema que se verifica é que 95% do tecido empresarial nacional é composto pelas ditas microempresas. Estas empresas representaram ainda uma subida entre as que pagam com atrasos superiores a 90 dias, uma vez que passaram de 13,4% em 2009 para 16,1% em 2018.

Considerando a totalidade de tecido empresarial, a percentagem de empresas com atrasos superiores a 90 dias era de 9,4% no final de maio do presente ano. A maioria das empresas (65,2%) paga com um atraso até 30 dias. Atualmente, a média do atraso é de 28,9 dias.

Assim, o comportamento de pagamentos das empresas apresentou uma tendência oposta à dos outros países, que nos últimos dez anos têm mostrado uma redução significativa de empresas incumpridoras dos prazos de pagamento.

Os setores dos serviços financeiros, agricultura, florestas, caça e pesca e os serviços são os que registam mais empresas cumpridoras com prazos de pagamento, respetivamente 67,8%, 64,9% e 61,0%. A indústria é o setor com menos empresas cumpridoras, registando 38,1%.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em O Jornal Económico.

Anterior Portugal 2020 injetou, por semana, 50 milhões de euros na economia
Próximo Açores: 25% dos jovens que se instalaram na agricultura investiram na diversificação agrícola

Artigos relacionados

Últimas

Agricultura | Auto suficiência em risco na UE

Se não adotar rapidamente as novas biotecnologias de precisão, a União Europeia (UE) coloca em risco a sua produção agrícola, ficando totalmente dependente da importação de alimentos. […]

Últimas

A Fileira do Pinho em 2018

O Centro PINUS acaba de lançar a sua edição digital anual com os principais indicadores da Fileira do Pinho. […]