Ambientalistas criticam Governo por aprovar novas centrais de biomassa

Ambientalistas criticam Governo por aprovar novas centrais de biomassa

A organização ambientalista Quercus e a Associação de Promoção ao Investimento Florestal – Acréscimo acusam o Governo “de estar a contribuir para o agravamento da desflorestação em Portugal” ao aprovar o licenciamento de quatro centrais a biomassa florestal “residual”, depois de ter decidido a instalação de outras tantas unidades fabris em 2016, Ou seja, só no decurso da presente legislatura foram atribuídas licenças a um total de oito unidades fabris para queima de material orgânico de origem florestal.

As duas organizações assinalam que estes investimentos são privados mas “dispõem de remuneração garantida por parte do Estado”. Contudo, referem que “há que ter em conta a disponibilidade potencial de biomassa florestal” no território português, seja de sobrantes de limpezas, desramações e desbastes, de abate de arvoredo ou da que é proveniente de resíduos das indústrias de transformação. No seu conjunto, a biomassa florestal produzida no nosso país, em 2013 “foi estimada em 2,2 milhões de toneladas/ano”, mas o consumo deste tipo de matéria orgânica já se situava naquele ano “acima dos 3 milhões de toneladas anuais”, explicam a Quercus e a Acréscimo, em comunicado.

Com o licenciamento de mais oito novas centrais de biomassa, a pressão sobre os ecossistemas florestais “vai aumentar”, designadamente sobre o arvoredo, garantem os ambientalistas, antecipando a possibilidade de poder vir a acarretar “um impacto negativo ao nível da desflorestação já em curso”, e que será equivalente à área do concelho de Lisboa em cada ano que passa.

A excessiva exploração dos recursos florestais não contribui, no entanto, para a redução das importações de madeira em bruto e de cortiça, facto que está a contribuir para o desequilíbrio da balança comercial de produtos de origem florestal que é já hoje “consideravelmente negativa”, assinalam as duas organizações. Em 2016, o país despendeu cerca de 110 milhões de euros na importação de madeira em bruto, referem no comunicado.

Mesmo assim, o Governo “insiste em unidades fabris de grande volume, economicamente inviáveis sem subsidiação pública e ambientalmente perigosas”, criticam os ambientalistas, salientando que esta opção coloca em causa a “sustentabilidade dos espaços florestais, aumentando o risco já evidente de sobre-exploração dos recursos naturais, contribuindo, tal como os incêndios rurais, para a degradação dos solos”.

Sendo Portugal caracterizado, em parte significativa do seu território, por solos pobres, com baixos teor e de matéria orgânica, a extracção de sobrantes de limpezas, desramações e de alguns tipos de desbastes, “em nada contribui para alterar esta situação”, sublinha o comunicado, destacando as alternativas de gestão de combustíveis gerados pelas áreas arborizadas ou de matos. Entre elas, está a que envolve a “utilização de sobrantes como fertilizante orgânico”, designadamente pelo seu estilhaçamento e espalhamento nos solos, sugerem as duas organizações.

Questionam ainda o processo de licenciamento das centrais a biomassa florestal “residual”, para a área potencial de abastecimento por parte destas unidades fabris, por não ser “efectuada avaliação de impacto ambiental, seja ao nível dos solos, dos recursos hídricos, da fauna e da flora, incluindo sobre o arvoredo.”

Assim, a Quercus e a Acréscimo sugerem ao Governo que opte por soluções que “não acarretem remunerações garantidas a privados” e que valorizem a instalação de centrais de biomassa florestal numa dimensão municipal. E ainda a criação de uma entidade reguladora e o reforço da capacidade fiscalizadora na actuação em casos de sobre-exploração dos ecossistemas florestal, “impedindo o agravamento da já considerável desflorestação que percorre o país”, concluem a Quercus e a Acréscimo.

Comente este artigo
Anterior Atelier de Inovação dos Cereais conta com 11 projetos - 13 Julho 2017
Próximo Moisson 2017 « Globalement, pas d’inquiétudes sur la qualité des blés tendres »

About author

Artigos relacionados

Sugeridas

IFAP Pagamentos Novembro 2016

Até dia 30 de novembro de 2016, conforme procedimento habitual,o IFAP procedeu a pagamentos, num montante total de cerca de 60 milhões de euros, destacando-se os seguintes pagamentos:

 
FEAGA:

Regime de Pagamento Base – 3,9 milhões de euros

Novo Regime da Vinha – 2,4 milhões de euros

POSEI Abastecimento – 1,3 milhões de euros

POSEI Madeira Medida 2 –  1,2 milhões de euros

FEADER

PDR 2020

Medidas Investimento – 16,3 milhões de euros

PDR 2020 – […]

Nacional

Governo autoriza IFAP a contratar serviços para controlo da atribuição de pagamentos

O Governo autorizou esta quarta-feira o Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas (IFAP) a realizar uma despesa até 2,1 milhões de euros por ano com a aquisição de serviços para o controlo da elegibilidade dos pedidos de financiamento.
“O Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas, […]

Nacional

Jornadas do Arade vão falar das “controvérsias” na saúde e pescas

O rumo dos serviços de saúde no Barlavento Algarvio, na opinião de Carlos Martins, presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Lisboa Norte e da médica Ester Coelho, ou a discussão sobre o rumo das pescas, também no Barlavento, pela voz de José […]