“Agricultura do futuro”  fixa jovens na Várzea

“Agricultura do futuro” fixa jovens na Várzea

[Fonte: O Ribatejo]

Quem passa na estrada para Outeiro da Várzea, nas imediações de Santarém, e olha as enormes estufas nem imagina que ali dentro está a nascer uma moderna fábrica de legumes hidropónicos. É um regresso à agricultura, mas agora uma agricultura de precisão, com recurso à moderna tecnologia, que está a permitir fixar jovens numa freguesia rural do concelho de Santarém. Visitámos uma das estufas, onde os irmãos João e Pedro Jordão trabalham dia e noite para conseguirem começar a plantar as primeiras alfaces dentro de um mês.

 

Agricultura de precisão dá “fábrica” de alfaces

“Chegou hoje a licença da Câmara, e assim vamos conseguir concluir o projeto, com a ligação à rede elétrica”, afirma João Jordão. O processo levou mais de 3 anos até chegar esta fase de início de produção, comenta o jovem agricultor, lamentando a burocracia que emperra estes processos de investimento em freguesias rurais do concelho.

Trata-se de um investimento de 325 mil euros, que conta com um apoio de 60% dos fundos do PDR 2020, à instalação de jovens agricultores.

“O atraso teve a ver com a mudança de quadro comunitário, a que se juntou a mudança de governo e toda a burocracia que envolve investimentos em espaço rural”, adianta o jovem agricultor, hoje visivelmente satisfeito com mais um obstáculo vencido, que vai permitir ultimar a instalação da exploração.

Entramos pelo armazém onde ficam os tanques de água ligados por uma panóplia de tubos a um computador que controla todo o processo de funcionamento da estufa. Quando passamos ao interior, deparamo-nos com verdadeira uma fábrica de legumes em que tudo é controlado ao detalhe, recorrendo à tecnologia mais avançada, a chamada “agricultura de precisão”.

A hidroponia é a técnica de cultivar plantas sem terra, sendo as raízes banhadas em água contendo todos os nutrientes essenciais ao desenvolvimento da planta.

“Estamos a concluir a instalação desta estufa com 2.500 m2 onde vamos cultivar alfaces, nabiças, espinafres, salsa, entre outras, através do cultivo hidropónico”, afirma João Jordão, mostrando a enorme estufa onde em breve serão plantadas 97 mil plantas, ao longo das filas de calhas por onde circula a água que as alimenta.

“Este tipo de cultivo exige muita tecnologia, praticando-se aqui uma agricultura de precisão, que permite reduzir custos e maximizar a produção, sem qualquer impacto ambiental e com uma qualidade de produto final incomparável”, afirma João Jordão.

Refira-se por curiosidade que, neste sistema de cultivo, é possível criar uma alface em 20 a 30 dias. “Logo que começarmos a produzir, já temos encomendas para escoar toda a produção”, afirma Pedro Jordão, sublinhando a aposta na certificação dos produtos. Entre as vantagens deste sistema de cultivo, destaca-se a poupança de 70 a 80% de água, a não contaminação dos solos e lençóis freáticos, uma redução muito grande na utilização de fitoquímicos, além de permitir produzir hortaliças fora de época, uma vez que todo o ambiente é controlado na estufa, desde a temperatura, humidade, ph e nutrientes da água, etc.

Também o irmão, Pedro Jordão irá avançar com um novo projeto para a instalação de uma outra estufa, com cerca de 5.000 metros quadrados, “Estamos já a concorrer a um novo projeto do PDR2020 para num futuro muito próximo sextuplicar a nossa capacidade produtiva, recorrendo a outro tipo de produção hidropónica onde já iremos produzir tomates, beringela, pimento, feijão-verde, etc.”, afirma Pedro Jordão.

Tudo começou em 2014 com a União das Freguesias de Romeira e Várzea a lançar o desafio aos jovens para que invistam no desenvolvimento económico da freguesia. A sementeira feita há 4 anos na União de Freguesias de Várzea e Romeira começa agora a ser visível, com vários investimentos de jovens agricultores locais no valor de centenas de milhares de euros em modernas estufas de culturas hidropónicas.

Um regresso ao campo, com visão de futuro

Um pouco mais adiante, visitamos uma outra estufa em tudo semelhante à anterior, onde somos recebidos por Mário Jorge Oliveira e a esposa Catarina Santos. A instalação já está quase pronta para começar a produzir alfaces. E a primeira colheita não deverá demorar um mês. “Já só falta começar a plantar”, afirma Mário Jorge Oliveira, entusiasmado por estar finalmente a tomar forma um projeto iniciado há quase 4 anos.

“Antes trabalhei em contabilidade, com a crise fiquei desempregado, a minha mulher também perdeu o emprego de administrativa, tínhamos casado recentemente e a nossa filha tinha nascido há pouco, por isso, decidimos mesmo arriscar nesta oportunidade de criar o próprio emprego com um projeto nosso”, afirma Mário Jorge Oliveira.

“Nem sei como conseguimos aguentar tantos anos a trabalhar num escritório”, confessa a Catarina Santos, ex-administrativa, perfeitamente ambientada a esta nova vida no campo e também já a contar os dias para começar a ver os frutos deste sonho que partilha com o marido.

A ideia surgiu em abril de 2014, quando assistiu à sessão de divulgação promovida pela União de Freguesias. “Realizámos uma sessão de esclarecimentos de dúvidas aberta a toda a população com a presença de diversas entidades públicas e privadas interessadas em desenvolver este sector na nossa freguesia, entre elas a Brásplanta, a Plântula, a Lusiprojecto, a Agriregas, a CAP, entre outras”, afirma o presidente da união de freguesias de Romeira e Várzea, Artur Colaço, salientando que “dessa sessão nasceram novos empreendedores locais que acreditam neste projeto criado pela UF Romeira e Várzea”. O know-how que existe em Santarém foi muito importante para o apoio e acompanhamento técnicos destes projetos com um nível tecnológico exigente.

Após ter assistido à reunião, Mário Jorge foi visitar estufas em modo de produção hidropónico, fez os cursos de jovem agricultor e de hidroponia, e decidiu avançar com a candidatura do projeto. Foram cerca de 304 mil euros de investimento, com apoio de 60% do PDR 2020 para a instalação de jovens agricultores.

No terreno junto à residência do casal foi instalada a estufa hidropónica, com mais de 2.000 metros quadrados, que já vai receber as primeiras plantas ainda este mês. “Vamos começar com alfaces, mas temos planos para avançar para outras culturas, à medida que formos ganhando experiência”, afirma o jovem agricultor. Esta estufa tem capacidade para cerca de 80.000 plantas, entre berçário e produção, mas o casal já tem planos para avançar com um segundo projeto, de uma nova estufa com outros 2.000 m2, que além dos seus próprios empregos, permitirá criar outros dois novos postos de trabalho.

“Estamos a trabalhar para termos os nossos produtos certificados, o que obriga a cumprir todas as exigências técnicas da instalação, mas permitirá dar toda a confiança aos clientes, além de que nos permite fazer parte de uma organização de produtores, para podermos ter uma outra posição no mercado e, de futuro, para podermos avançar para a exportação”, afirma o jovem empresário.

Organização de agricultores que vai contar com a participação dos irmãos Pedro e João Jordão e de outros empreendedores da região cujos projetos estão mais atrasados.

“Este programa de desenvolvimento promovido pela UF Romeira e Várzea, visa num futuro próximo, criarmos na nossa freguesia juntamente com os outros empreendedores, uma entidade para comercializar os nossos produtos no âmbito do mercado nacional e internacional”, adianta Pedro Jordão.

Comente este artigo

O artigo “Agricultura do futuro” fixa jovens na Várzea foi publicado originalmente em O Ribatejo

Anterior Acordo comercial entre UE e Japão elimina taxas alfandegárias no vinho em 2019
Próximo Programa del 8 de julio de 2017

Artigos relacionados

Últimas

Incêndios: Conselho de Ministros aprova medidas para sete concelhos afetados

[Fonte: Jornal económico]
O Conselho de Ministros aprovou hoje medidas excepcionais para a recuperação da actividade económica e recuperação de habitações danificadas na sequência do incêndio que devastou Pedrógão Grande.
“Na sequência do levantamento de prejuízos, aprovámos um conjunto de medidas de ação que o Governo levará a cabo juntamente com o esforço de solidariedade nacional e em coordenação com as autarquias”, […]

Sugeridas

La cosecha de cereales en España podría caer un 24,7% por los bajos rendimientos

[Fonte: Agropopular]

La producción de cereales podría situarse este año en España en 17,3 millones de toneladas, según las proyecciones de COCERAL (Comité del Comercio de Cereales y Oleaginosas de la UE).
Ese volumen supondría una caída del 24,7% respecto al obtenido el año pasado debido a la disminución de los rendimientos medios, […]

Nacional

Projeto “Raízes da Sustentabilidade” – Município oferece azinheiras

[Fonte: O Ribatejo]

No âmbito da comemoração do Dia Internacional das Florestas – 21 de Março – o Município de Santarém dinamiza a 3ª edição do projeto municipal “Raízes da Sustentabilidade” e convida os munícipes a plantar uma Azinheira (Quercus rotundifolia), […]