Página inicial ] [ Directório ] AgroNotícias ] Pesquisar ] Opinião ] Dossiers ] Info ] Adicionar URL ] Novidades ] Mapa ]

 

 -  22-03-2002

[ Agroportal ] [ Nacional ] [ Internacional ]

 

A População Agrícola Portuguesa
é a mais velha da Europa

O número de agricultores está em declínio na Europa e, ao mesmo tempo, a sua média etária está a aumentar. O Parlamento Europeu, Comité Económico e Social e o Comité das Regiões realizaram recentemente estudos nos quais foi focado o problema do envelhecimento do tecido agrícola, reconhecido o valor dos jovens agricultores e considerada urgente a tomada de acções que assegurem o futuro da agricultura europeia.

Segundo dados de 2000 do Parlamento Europeu, o número de jovens agricultores como percentagem do total de agricultores decresceu de 8,8% para 7,7% entre 1990 e 1997. Uma leitura em bruto dos factos, regressão linear, sugere que (teoricamente) o número de agricultores com menos de 35 anos reduzir-se-á a zero em 2020. Por conseguinte e assumindo uma vida activa de 35 anos, não haverá mais agricultores na Europa em 2055 e o primeiro país a perder todos os agricultores será Portugal.

Dados publicados recentemente pelo Eurostat indicam que, na União Europeia, existe uma força de trabalho envelhecida e que a proporção de jovens na agricultura atinge os valores mais baixos nos Estados Membro do Sul da Europa, sendo Portugal o país que regista uma tendência de envelhecimento da população agrícola mais acentuada.

Em Portugal, em 1997, cerca de 66,3% dos agricultores tinham mais de 55 anos e somente 3,6% apresentavam idades inferiores a 35 anos. Estes números contrastam com os de outros países da Europa como por exemplo a Áustria, onde mais de 17,4% de agricultores têm menos de 35 anos. 

Em apenas sete anos, a força de trabalho jovem na agricultura portuguesa decaiu 55%.

Sabe-se que a percentagem de emprego na agricultura portuguesa relativamente a todos os sectores da economia decresceu cerca de 48% entre 1980 e 1998, altura em que apresentava o valor de 13,7%. No entanto, este último valor encontra-se muito acima da média da UE-15 (+ 4,7% de activos agrícolas relativamente ao total de emprego). 

Uma publicação recente do Eurostat reconhece o grande potencial dos jovens agricultores afirmando “The average physical and economic sizes of holdings run by young managers area greater than those of other holders and are also increasing more rapidly”. Por outro lado, em 1997, houve uma maior concentração dos meios de produção e potencial económico entre os jovens gestores. Estes são factores indicativos evidentes do alto potencial dos jovens para dinamizarem o sector agrícola. 

Em qualquer sector económico, os jovens são quem atinge os maiores níveis de produtividade, maior capacidade de adaptação, conhecimento mais actualizado, as melhores ideias e inovações constituindo o verdadeiro motor da economia mundial. Sem jovens a agricultura transforma-se num sector marginalizado sem perspectivas de futuro tal como a encontramos hoje.

Os princípios da PAC baseiam-se na multifuncionalidade da agricultura, na abordagem multisectorial e integrada da economia rural, na flexibilização dos apoios ao desenvolvimento rural e na transparência na elaboração e gestão dos programas para reforçar o sector agrícola e silvícola, melhorar a competitividade das zonas rurais e preservar o ambiente e o património rural.

A AJAP considera que são os Jovens Agricultores os mais bem preparados para desenvolver e aplicar os princípios da PAC e de utilizar todas as medidas de desenvolvimento rural.

Os Jovens Agricultores possuem o conhecimento técnico e a informação necessária para realizar investimentos nas explorações agrícolas com o objectivo de modernizar as suas instalações, equipamento e sistemas agrícolas, a fim de melhorar os rendimentos e as condições de vida, de trabalho e de produção dos agricultores.

Apesar de o acentuado envelhecimento do tecido produtivo agrícola português ser uma realidade cada vez mais conhecida e reconhecida, não se pode dizer que este problema tenha alguma vez sido objecto de um estudo profundo, no qual se procurem as causas deste status quo e sejam equacionadas e sugeridas formas de inverter esta tendência. Pois é exactamente isso que a AJAP está a fazer: um estudo sobre a situação dos Jovens Agricultores em Portugal ao longo dos últimos anos no qual é analisado quem se instalou, em que produções, quais as dificuldades sentidas e o papel da política de instalação, sendo posteriormente efectuada uma comparação com os parceiros da União Europeia e sugeridas possíveis soluções.


Apontadores relacionados:

Sítios

Fonte: AJAP

[ Écran anterior ]  [ Outras notícias ]

Página inicial ] [ Directório ] AgroNotícias ] Pesquisar ] Opinião ] Dossiers ] Info ] Adicionar URL ] Novidades ] Mapa ]

Produzido por Camares ® - ©  1999-2007. Todos os direitos reservados.
Optimizado para o IE 5.#, resolução 800 x 600 e 16 bits