UE está a financiar projeto que quer colocar IoT na mesa dos consumidores

[Fonte: Vida Rural]

O projeto Internet of Food & Farm 2020 (IoF2020), com um orçamento de 34,7 milhões de euros cofinanciados pela União Europeia no âmbito do programa Horizonte 2020, quer levar a Internet das Coisas (IoT) ao setor agrícola e alimentar europeu. Iniciado em janeiro deste ano, o projeto terá uma duração de quatro anos e pretende “impulsionar uma mudança de paradigma neste domínio, melhorando drasticamente a produtividade e a sustentabilidade” através da demonstração do valor que as redes digitais e inteligentes de objetos podem acrescentar ao setor agroalimentar.

Numa nota enviada às redações, os responsáveis pelo projeto explicam que a iniciativa irá fornecer soluções e facilitar a adoção em larga escala da IoT, abordando os desafios organizacionais e tecnológicos que o setor agrícola e alimentar europeu enfrenta. “A IoT pode, por exemplo, ser utilizada para melhorar a qualidade da carne na UE também minimizando as possibilidades de fraude através do aumentando da transparência e rastreabilidade. Outro exemplo: no total, o sector vitivinícola da UE tem a maior percentagem das receitas agrícolas da UE; para acompanhar a concorrência internacional, tanto na viticultura convencional como orgânica, as tecnologias IoT podem ser utilizadas para obter maior qualidade e sustentabilidade ambiental, juntamente com a diminuição dos custos de produção. “

Assim, o projeto pretende oferecer soluções para cinco grandes áreas agroalimentares – lavoura, laticínios, carne, hortícolas e frutícolas -, envolvendo todas as partes interessadas na cadeia alimentar: agricultores, cooperativas, fornecedores de equipamentos e logística, empresas de processamento de alimentos, representantes dos consumidores e criadores de Tecnologias de Informação e Comunicação (software e hardware).

George Beers, Gestor de Projetos na Universidade de Wageningen e Coordenador do Projeto IoF2020, explica que “o IoF2020 não trará apenas a Internet das Coisas para o setor agroalimentar, mas também terá como tremendo objetivo fornecer tecnologias que atendam às necessidades de toda a cadeia de valor e dos utilizadores finais e reforçá-los para os desafios do futuro. Juntamente com as 71 entidades envolvidas, acreditamos que o IoF2020 tem o potencial de conduzir a uma mudança de paradigma na forma como os alimentos são produzidos na Europa, do campo ao prato, e contribuir para reforçar a competitividade e a excelência Europeia nesta área”.

A iniciativa conta com um consórcio de 71 entidades, entre as quais a portuguesa UNPARALLEL Innovation.

O artigo UE está a financiar projeto que quer colocar IoT na mesa dos consumidores foi publicado originalmente em Vida Rural

Anterior Efefood TV aborda la subida del IPC alimentario y el impuesto a azucaradas
Próximo El Observatorio del Corcho Extremeño valora el apoyo político al plan estratégico del sector

Artigos relacionados

Últimas

Centro de Frutologia Compal leva o campo para a cidade

O Centro de Frutologia Compal e a Quinta Pedagógica dos Olivais firmaram uma parceria que pretende mostrar aos mais novos de onde vem a fruta. Esta parceria traduziu-se na criação de um Pomar Pedagógico Interativo que já abriu as portas em Lisboa para levar o campo até à cidade, […]

Últimas

Bruxelas lança programas de 128,5 milhões para promover produtos agrícolas

[Fonte: Jornal Económico]
A Comissão Europeia lançou hoje um convite à apresentação de propostas por parte das empresas dos países comunitários e de países terceiros associados à União Europeia para o cofinanciamento de campanhas de promoção de produtos agrícolas europeus, no montante global de 128,5 milhões de euros. […]

Últimas

Agricultores moçambicanos queixam-se de falta de meios para aumentar produção e combater a fome

[Fonte: Observador]

A falta de meios continua a impedir o aumento de produção de milhares de camponeses em Manica, centro de Moçambique, concluiu uma equipa multissetorial que acompanha a evolução agrícola na região após a devastação da seca.
“[Os produtores] querem mais insumos e extensionistas, […]